Vale a pena ter um robô aspirador? E ter acesso ao equipamento através do telemóvel, traz mais-valias ou é apenas um preciosismo? Estive a experimentar o Roomba 676, o novo robô aspirador da gama de entrada da iRobot que agora também tem ligação à app da marca, e a pensar nestas questões. As conclusões estão aqui.

Os robôs ainda estão associados, por um lado, a uma modernidade pouco acessível e, por outro, a um certo capricho sem razão de existir. Não concordo muito com isso mas reconheço que a utilidade de uns robôs seja mais clara, ou mais efetiva, do que a de outros. Os robôs aspiradores são, para mim, os que mais atributos têm para rapidamente entrarem nas nossas vidas. A limpeza não depende de aspetos subjetivos como paladar, sentido de estética ou representa qualquer tipo de risco. Assim, digo que a ideia me agrada e, não sendo esta a primeira vez que experimento um, a cada vez que os experimento faz mais sentido contar com a ajuda de um.

O Roomba 676, como já referi, integra a gama de entrada dos aspiradores da iRobot, ou seja, a dos equipamentos mais baratos da sua categoria. Sim, não são extremamente baratos mas tudo é uma questão de fazer contas à vida. Mas já lá iremos. Depois de ter experimentado o 896, da série intermédia da iRobot, temia que pudesse ficar frustrada perante a comparação. Mas o 676 portou-se à altura.

Pô-lo a funcionar e sincronizá-lo com a aplicação foi rápido e fácil. Em ação, revelou-se competente e, ainda que não tenha um poder de sucção tão elevado quanto o 896 ou o 980, não deixou ficar ‘pelo sobre pelo’ no chão da minha casa. Sim, tenho um cão que troca o pelo (longo) 2 vezes por ano e estava em plena fase de mudança. Mesmo assim tive a casa impecável durante todo o tempo do teste.

Roomba 676, o robô aspirador da iRobot

E a app, para que serve?

O robô funciona de forma praticamente autónoma e poderia funcionar sem a app sem problemas. Mas com a app fica tudo ainda mais fácil.

Basta um clique na aplicação para que o equipamento comece a funcionar (mesmo que estejamos fora de casa). Os sensores do aspirador ‘farejam’ a sujidade onde ela está e levam-no a percorrer toda a área pretendida. Ou seja, vai por todo o lado desde que não haja uma porta fechada, um móvel demasiado baixo que não permita que ele passe por baixo, ou ainda barreiras virtuais. Estas barreiras podem ser colocadas pelo utilizador justamente para bloquear o acesso do aspirador a zonas específicas como, por exemplo, a dos pratos de comida e água do cão ou do gato.

Através da app é possível não só acionar o aspirador como agendar o seu funcionamento, a determinar a periodicidade e a altura do dia para o fazer. A aplicação também envia notificações quando a bateria do aspirador está fraca, quando o depósito está cheio, quando está preso sob um móvel ou quando a aspiração é concluída. A app permite ainda consultar o histórico das limpezas efetuadas, a contagem da sujidade detetada, a quantidade de ciclos de limpeza realizados a cada semana ou a cada mês, a duração dos ciclos, entre outras informações. Nas 3 primeiras situações – controlo de bateria, do nível do depósito ou quando está preso – dá imenso jeito saber na hora. Especialmente se trabalhamos em casa e podemos rapidamente solucionar o problema.

Conclusão

O saldo final da experiência com o Roomba 676 foi positivo. Tanto que, uma vez mais, a despedida custou-me. Haverá algum aspetos menos positivos a ressaltar? Apontaria um em especial, em lugar de extratores AeroForce das gamas superiores, mais fáceis de limpar, o 676 conta com uma escova de cerdas e uma escova batedora, sendo a primeira de manutenção um pouco mais trabalhosa.

O Roomba 676, da iRobot tem um valor de 349,99 euros, com envio gratuito para as compras (de envio terrestre) feitas através do site da marca (promoção por tempo determinado).