Esta é Kodomoroid e, assim como Otonaroid, é o robô android mais avançados que há. As duas estão a trabalhar no Miraikan – Museu Nacional de Ciência Emergente e Inovação do Japão.

Estes robôs, juntamente com o Telenoid, são as peças centrais da exposição permanente daquele museu japonês denominada ‘Android: What is Human?’. E ficamos a pensar naquilo que realmente faz de nós humanos e questionar quando (e se) os robôs entrarão em força no nosso universo.

Robôs no museu - Kodomoroid e Otonaroid

Kodomoroid é um robô teleoperado com formas semelhantes à de uma criança humana. É um pivô android que pode dar notícias 24 horas por dia, todos os dias da semana, com vozes distintas e em diferentes línguas. No estúdio montado no terceiro andar do museu é possível vê-la a dar notícias sobre assuntos globais e meteorologia espacial.

Otonaroid é um robô teleoperado com formas semelhantes à de uma mulher humana. Ela foi ‘contratada’ pelo Miraikan como divulgadora científica – a integrar a equipa de 50 divulgadores científicos do museu. Na exibição, os visitantes poderão falar com ela e também operá-la a distância.

Telenoid é o robô com desenho minimalista mas com feições humanas. Na exposição é possível comunicar com ele, tocá-lo assim como operá-lo à distância.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Estes robôs de pele macia e movimentos suaves são uma criação de Hiroshi Ishiguro, um dos maiores especialistas em robôs androides e também curador da exposição. Diretor do Laboratório de Robótica Inteligente, da Universidade de Osaka, o cientista está também à frente do Hiroshi Ishiguro Laboratories. Com uma mão-cheia de criações humanoides traz sempre uma questão essencial com o seu trabalho: “O que é a essência humana?”

Hiroshi Ishiguro e um robô android feito à sua imagem e semelhança

Crédito de imagens: As fotografias deste artigo pertencem ao Miraikan – Museu Nacional de Ciência Emergente e Inovação do Japão –, e ao Hiroshi Ishiguro Laboratories.